Correios prepara megademissão de 25 mil concursados

Correios prepara megademissão de 25 mil concursados

Numa demonstração cabal de que o golpe de estado vai além das medidas parciais como a reforma da previdência, terceirização, mas sim um ataque em todos as áreas contra os trabalhadores, como o conjunto dos serviços públicos estatais, está sendo anunciado pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) uma medida, dentre as várias que a estatal já tomou, para privatizar uma das maiores empresas públicas do Brasil, a demissão em massa.

A direção dos correios que impor a demissão motivada para realizar um enxugamento no quadro de pessoal cujas estimativas chegam a 25 mil funcionários, cerca de 25% do quadro total de trabalhadores da ECT. Tal medida, além de provocar a demissão de milhares de trabalhadores seria um precedente para que outras estatais demitam seus trabalhadores que ingressaram por meio de concurso.

A ira dos golpistas da ECT elevou-se diante da baixa adesão dos trabalhadores ao Plano de Desligamentos Voluntários (PDV) que a empresa abriu em janeiro e, dos 8 mil funcionários com mais de 55 anos que esperavam que aderissem. Mas o número de trabalhadores que pediram demissão foi abaixo das expectativas, chegou a 5 mil. Adesão que certamente foi resultado da pressão das chefias das mais diversas formas para aderirem ao famigerado PDV.

Da mesma forma que estão fazendo com a previdência, terceirizações, reforma do ensino médio, dentre outras, em que os golpistas mudam os artigos da Constituição ou a interpretam do seu jeito para atacar os trabalhadores, desejam fazer nos Correios.

A diretoria dos Correios, constituída de gângsteres e golpistas, se apoiam no artigo 173 da Constituição, que permite adotar em empresa pública o regime jurídico de empresas estatais. Ou seja, os golpistas utilizarão de todos os artifícios para demitir os trabalhadores que só podem sair voluntariamente ou por justa causa mediante a abertura de processo disciplinar. É um golpe contra os trabalhadores. Agora com a aprovação da terceirização em todas as escalas de trabalho, os golpistas da ECT vão demitir os concursados para contratar mão de obra mais barata em larga escala.

E necessária uma mobilização nacional dos trabalhadores dos Correios a partir do 31 de março no sentido de preparar a greve tanto da categoria quanto do conjunto dos trabalhadores, contra o golpe e em defesa do emprego e da manutenção dos Correios como empresa pública.

Comentários

%d blogueiros gostam disto: