Bolsonaro dá show de racismo, até contra judeus, e a comunidade judaica o aplaude

Bolsonaro dá show de racismo, até contra judeus, e a comunidade judaica o aplaude

Embora o fato tenha ocorrido há quatro dias, ele dá muito o que pensar e não vai ser facilmente esquecido. O clube A Hebraica do Rio de Janeiro, dentre os locais que preservam a cultura judaica,  foi único lugar do mundo em que um líder extremista de direita e racista foi recebido, fez apologia do extermínio, ganhou aplausos e arrancou gargalhadas do público. Uma afronta à memória do genocídio judeu que, no mínimo, deve ter horrorizado a comunidade judaica internacional.

Vejamos primeiro o que ocorreu durante o evento e deixemos para o final a tentativa de explicar essa surpreendente abertura das portas para Bolsonaro exercitar a sua especialidade: a propaganda do ódio.

Jair Bolsonaro deu um show de racismo no clube judeu, mais ostensivamente contra negros e índios, mas também contra os próprios judeus. Usou o termo “raça” – que em seu contexto político de extrema direita deveria soar horripilante aos judeus presentes –  para atacar os manifestantes que o vaiaram: “Alguém já viu um japonês pedindo esmola por aí? Não, porque é uma raça que tem vergonha na cara. Não é igual a essa raça que tá aí embaixo, ou como uma minoria que tá ruminando aqui do lado”.

A palavra “raça”, como se vê, com uma carga abominável de preconceito, foi lançada contra os próprios judeus, contra aqueles que protestavam dentro (“uma minoria que tá ruminando aqui do lado”) e contra os que protestavam do lado de fora (“essa raça que tá aí embaixo”). E, enquanto isso, a maioria dos judeus presentes gargalhava e aplaudia.

Para ir fundo na abjeção, Bolsonaro atacou os negros. Afirmou que em um quilombo que visitou “o afrodescendente mais magro pesava sete arrobas”.  É evidente que, mesmo sem considerar o resto, a mera aplicação da palavra “arroba” para se referir a um negro, o reduz à condição de gado e o animaliza.

O público foi ao delírio, aplaudindo e gargalhando com entusiasmo.

E isso é incrível porque os precursores da animalização, os nazistas em seus filmes de propaganda, investiram justamente na associação entre os judeus e os ratos. Como se sabe, a animalização é a preparação para o extermínio. Mas ninguém, nenhum dos judeus que foram prestigiar Bolsonaro na Hebraica, lembrou-se disso. Ao contrário, todos extravasaram alegremente  o prazer com a degradação dos negros.

Mas Bolsonaro foi além, nesse processo de animalização, retratando de forma ainda mais degradante o negro na perspectiva da animalização ao afirmar que  “nem para procriar”  serviam.  Ora, um animal que não serve nem para a reprodução, o que se faz com ele? Se abate. É preciso desenhar para que se veja aí as premissas de um genocídio?

Ele justificou também, como sempre fez,  a execução sumária  por policiais, chamando as vítimas de “vagabundos”. E, apesar de ter dito que os que estavam “lá embaixo” – um grupo de judeus indignados que protestavam contra sua presença na Hebraica –  eram também “vagabundos”, foi aplaudido pelos judeus que estavam acompanhando seu discurso.

Mas isso foi pura apologia ao crime, já que as leis brasileiras proíbem a execução sumária. Tanto é assim que, já ontem, se lia que os PMs que assassinaram os “dois vagabundos” foram  indiciados por homicídio doloso.

Esses judeus deveriam ter refletido sobre o seguinte: se os jovens judeus que protestavam lá fora eram, eles também, “vagabundos”, também estavam sendo postos na linha de tiro de Bolsonaro, sendo justificada a sua execução sumária, já que, no contexto, a ideia era a de que vagabundo bom é vagabundo morto.

Todos os aplausos e gargalhadas ouvido no interior da Hebraica, não esqueçamos porque é um agravante, ocorreram enquanto o Rio de Janeiro se encontrava sob o impacto da morte brutal da estudante Maria Eduarda Alves, trucidada por policiais que realizavam uma execução.

Cumpre lembrar que em SP, no dia 27 de fevereiro, a Hebraica cancelou evento com Bolsonaro. O incrível, porém, é como podem ter programado um evento com Bolsonaro.

De todo modo, foi o manifesto assinado por milhares de pessoas, a maioria certamente judeus indignados, que demoveu a direção da Hebraica-SP de levar à frente o projeto. Já no Rio de Janeiro, ao contrário, foi justamente como uma vingança contra a desfeita ao líder da direita em São Paulo, que se promoveu o evento. Foi um desagravo.

O que se perguntará em futuro próximo é se essa reação do Rio de Janeiro, estranha e surpreendente, guarda alguma relação com a feira de armas do Rio, um evento internacional que tem Israel e as empresas judaicas de armamento (os caveirões, afinal, não caem do céu) como principais promotores e beneficiários. E Bolsonaro, como todo mundo sabe, ao pedir a liberação das armas, atua em consonância com os interesses da indústria de armas.

E mais: os interesses da indústria de armas de Israel, vão infinitamente além de fuzis e pistolas. Trata-se de alta tecnologia militar que, em caso de um Bolsonaro na presidência, iriam drenar bilhões para a indústria da morte.  E, afinal, não será isso que explica os aplausos, as gargalhadas, enfim, o delírio causado no público presente?

Por Bajonas Teixeira,

Comentários

%d blogueiros gostam disto: