GLOBO MOSTRA QUE EM DEBATE DE 2014, SÓ INTERROMPEU PASTOR A SERVIÇO DA ODEBRECHT DEPOIS DE FRASE DE EFEITO CONTRA DILMA

GLOBO MOSTRA QUE EM DEBATE DE 2014, SÓ INTERROMPEU PASTOR A SERVIÇO DA ODEBRECHT DEPOIS DE FRASE DE EFEITO CONTRA DILMA

Aécio ri da pergunta do pastor: foi tudo ensaiado antes?

Na edição deste sábado, 15/04/2017, o Jornal Nacional reproduziu delação de executivo da Odebrecht segundo a qual a empresa pagou R$ 6 milhões à campanha presidencial do pastor Everaldo, do PSC, em 2014.

Segundo a delação, quando ficou claro que o pastor não iria a lugar algum, a empresa passou a utilizá-lo para levar Aécio Neves, o candidato do PSDB, ao segundo turno.

Na verdade, é bastante improvável que a Odebrecht tenha de fato acreditado que o pastor seria capaz de vencer a eleição (esta é a opinião do Viomundo).

Nos debates finais da campanha, Everaldo foi orientado a perguntar sempre a Aécio Neves, permitindo que o tucano usasse suas respostas para atacar Dilma Rousseff.

O Jornal Nacional reproduziu trecho de debate na emissora mostrando que o pastor obedeceu à Odebrecht.

Num bloco em que os temas das perguntas foram sorteados e o tema era Previdência, o pastor falou do Plano de Aceleração de Crescimento, o PAC, peça chave da campanha de Dilma.

Na pergunta, teve tempo de afirmar que apenas 30% das metas do PAC haviam sido atingidas e perguntou a Aécio se se tratava de “programa de atraso do crescimento ou programa de aceleração da corrupção?”.

Foi só depois das gargalhadas e do início da resposta de Aécio que o mediador do debate, William Bonner, interrompeu a encenação paga do pastor Everaldo para lembrá-lo que o tema era Previdência — passaram-se cerca de 30 segundos!

Ou seja, o candidato manejado pela Odebrecht conseguiu colocar no ar uma eficaz punch line contra Dilma, geralmente produto de marqueteiros, no debate de maior audiência da campanha.

A emissora não perguntou a Aécio Neves se ele sabia da estratégia da Odebrecht, nem se alguma pessoa ligada ao PSDB teve algum tipo de influência na campanha do pastor Everaldo — como a produção de punch lines, por exemplo.

Nos Estados Unidos, um dos casos mais conhecidos se deu num debate entre candidatos a vice-presidente, no ano em que George Bush pai se elegeu derrotando o democrata Michael Dukakis.

Para afastar dos eleitores a ideia de que seu governo não teria o carisma do padrinho Ronald Reagan, do qual foi diretor da CIA, Bush escolheu como vice Dan Quayle, um senador jovem que frequentemente se comparava ao carismático John Kennedy.

Num debate com o veterano Loyd Bentsen, vice na chapa de Dukakis, quando Quayle tentou fazer a comparação foi interrompido pelo senador texano: “Eu conheci John Kennedy, eu convivi com John Kennedy e o senhor não é John Kennedy”, disparou.

Embora o senador Bentsen fosse de fato uma raposa política, a frase foi obviamente ensaiada antes e usada quando ele teve a oportunidade de fazê-lo.

Vejam no link como o mediador da Globo só se lembra que as regras do debate foram desobedecidas DEPOIS que o pastor Everaldo lança seu punch line contra Dilma Rousseff para milhões de telespectadores.

Veja também:

JN edita vídeo de delação e não menciona encontro de Aécio com colaborador da emissora

Comentários

%d blogueiros gostam disto: