Editorial Jeová Rodrigues

A CMP está nesta trincheira!
A CMP Brasil – Central de Movimentos Populares, reunida sua Direção Nacional, na cidade de São Paulo, nos dias 25, 26 e 27 de Janeiro de 2018, reafirma sua disposição de lutar contra o golpe de Estado, em andamento no Brasil.

A crise do capitalismo, com a inconsequente busca dos imperialistas por novos mecanismos e territórios para o acúmulo de riquezas, é a grande responsável pelos conflitos, guerras, invasões de países e golpes de Estado em todo o mundo.

No Brasil não é diferente. Os detentores do poder hegemônico viram aqui a possibilidade de somar duas de suas principais metas dessa nova etapa do acúmulo de riquezas: a exploração dos recursos naturais e a usurpação dos bens do Estado, através da retirada de direitos da classe trabalhadora e das privatizações.

Os tentáculos do imperialismo em todo o processo de construção e efetivação do golpe em nosso país são incontestáveis e, cada vez mais, inocultáveis.

Um empecilho ao aprofundamento do golpe é a organização da classe trabalhadora, através de suas entidades representativas.

É por isso que o governo ilegítimo de Temer, a maioria parlamentar e o Judiciário, lacaios dos imperialistas, esforçam-se em promover o desmonte dos direitos trabalhistas, que tem efeitos avassaladores à maioria dos trabalhadores e suas organizações; junto a isso um forte desmonte das políticas públicas, com retirada de direitos sociais e corte de recursos em diversos programas sociais.

Os movimentos populares junto com diversos setores da sociedade civil, tem resistido incansavelmente se mobilizando e ocupando as ruas e praças protestando e denunciando o fim de políticas sociais, o desmonte do estado públicas e a entrega do patrimônio e das riquezas naturais do povo brasileiro.

A onda conservadora e os governos golpistas em reação violenta e agressiva, criam mecanismos cada vez mais perversos de perseguição e criminalização dos movimentos sociais, dos partidos de esquerda e de suas lideranças.

Exemplo concreto dessa sanha persecutória e destrutiva é a condenação sem provas da nossa maior liderança popular. A ação do Judiciário contra o presidente Lula não nos deixa dúvidas de que vivemos um estado de exceção e uma verdadeira “Ditadura da Toga”.

A elite brasileira busca condenar Lula com o objetivo de retira-lo da disputa presidencial em outubro em uma clara ação de violação da soberania popular do voto, um dos instrumentos fundamentais da atualidade para a disputa das políticas publicas, do orçamento público, da defesa do patrimônio e das riquezas naturais, bem como principalmente da soberania nacional.

Não vamos obedecer uma decisão sem provas, baseada em delações premiadas duvidosas. A CMP defende o direito de Lula ser candidato, pois Eleição Sem Lula é Fraude!

A CMP apoia e irá intensificar a mobilização para fortalecer a criação de comitês populares em defesa da democracia e o direito de Lula ser candidato.

Defendemos e participaremos do Congresso do Povo que terá como objetivo construir articulações e uma agenda comum entre os diferentes atores sociais para organizar e promover um processo de politização da classe trabalhadora no enfrentamento a burguesia.

Se o Brasil é estratégico para os interesses da classe dominante, também o será para a classe trabalhadora internacional!

É por isso que a CMP conclama todas suas entidades filiadas e todos seus militantes a reforçar a resistência ao golpe e a construir um novo ciclo de vitórias para os trabalhadores, um ciclo emancipatório, de efetivação do poder popular.

*Central de Movimentos Populares do Brasil, CMP-BR*

Compartilhe com seus amigos:
Categoria CEILÂNDIA, JUSTIÇA, Lava a jato, PERSEGUIÇÃO, Politica.