Editorial Jeová Rodrigues

Desde o fim do ano passado a Justiça estava avisada por Lula de que, em 27 de janeiro, ele daria uma palestra em Addis Abeba, capital da Etiópia, durante o Encontro Anual da União Africana. Porém, as tão faladas “fake news” impediriam o ex-presidente de viajar.

A participação de Lula no evento da União Africana se daria em um painel intitulado “Parceria renovada para acabar com a fome na África até 2025”. Porém, a seis horas do embarque um juiz do Distrito Federal determinou a apreensão do passaporte do ex-presidente motivado por boatos de que ele iria “fugir” porque o evento de que participaria seria uma invenção para que o ex-presidente consumasse a fuga

O juiz que tomou essa decisão é velho conhecido nosso. Em maio de 2017, O juiz substituto da 10ª Vara Federal Criminal do Distrito Federal, Ricardo Leite, mandara suspender as atividades do instituto Lula por conta da compra pelo governo Dilma de caças suecos para a força aérea brasileira.

Segundo matéria do UOL, à época, o despacho desse magistrado que suspendeu as atividades do Instituto Lula disse que a medida foi tomada em atendimento a pedido do Ministério Público Federal, mas o procurador da República Ivan Cláudio Marx negou à reportagem do UOL que tivesse feito o pedido a esse magistrado.

Seja como for, logo em seguida o desembargador Néviton Guedes, do Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF-1), com sede em Brasília, derrubou a decisão do juiz Ricardo Leite, por absoluta falta de materialidade na decisão e, inclusive, devido ao fato de que era mentira que o MPF tivesse pedido o fechamento do Instituto Lula.

Agora, o juiz afobado de Brasília atacou novamente impedindo a viagem de Lula, ao que tudo indica, com base nas tais fake News de que a mídia tanta fala, mas que não se furta a usar.

Tudo começou pouco antes do julgamento de Lula pelo TRF4. Começaram a circular boatos de que ele iria fugir. O ex-colunista de O Globo e agora na Veja Ricardo Noblat ajudou a alimentar os boatos.

O fato é que, no período imediatamente anterior ao julgamento passou a circular na internet a imagem de uma página da FAO, órgão da ONU, com as conferências regionais de 2018. A da África aparecia como prevista para se realizar entre 19 e 23 de fevereiro em Cartum, no Sudão.

Nos posts, os autores da farsa diziam que a Etiópia não tem tratado de extradição com o Brasil e essa seria era a prova definitiva de que o ex-presidente, já antevendo a condenação pelo TRF-4, planejara uma fuga.

Foi o que bastou para grandes órgãos de imprensa começarem a ventilar que Lula estava para fugir da Justiça brasileira.

O jornalista Carlos Brickmann embarcou na onda e assumiu como verdadeira a informação, numa nota publicada em seu blog “Chumbo Gordo.

Augusto Nunes repercutiu a notícia no site da revista Veja, dizendo que “Entre outras demonstrações de que mente mais do que respira, o ex-presidente fantasiou-se de perseguido político e lamentou a perda da oportunidade de mostrar como fez para que acabasse no Brasil a fome que continua.”

Algumas horas mais tarde, José Nêumanne Pinto deu a notícia na TV Estadão, chamando o caso de “ A farsa etíope”.

Foi o que bastou. Como o Judiciário pula quando a mídia manda, logo apareceu o juiz de Brasília que adora aparecer às custas de Lula para impedir Lula de viajar confiscando seu passaporte.

Contudo, era mentira. Abaixo, a foto do evento que Brickman, Veja e Estadão disseram que não ocorreu.

Em seguida, o site Poder 360 desmentiu a farsa contra Lula que Veja e Estadão divulgaram.

O fato é que o que aconteceu na Etiópia foi um evento até mais importante do que a conferência regional. Foi a Cúpula da União Africana, a 30ª, no qual a FAO participaria para debater um dos maiores problemas do continente: a fome e a desnutrição.

Augusto, Brickmann e Nêumanne, ou seja, ao menos dois grandes órgãos de imprensa, Veja e Estadão, deram curso a uma fake news. Por isso o passaporte de Lula foi confiscado e até agora não foi devolvido.

Após a descoberta da mentira, tanto o Estadão quanto a Veja apagaram as matérias mentirosas. Se você for ao Google e procurar as matérias dos dois veículos, vai dar com os burros n’água.

Ao clicar na matéria do Estadão intitulada “A Farsa Etíope”, você vai dar de cara com esta página

Compartilhe com seus amigos:
Categoria CEILÂNDIA, JUSTIÇA, Lava a jato, PERSEGUIÇÃO, Politica.