Editorial Jeová Rodrigues

Num país de tanta fraude,
De roubo e corrupção,
Onde nem se sabe mais
Quem é santo ou é ladrão,
Eu já estou decidido
Que vou votar no “bandido”
Mais querido da Nação!

Votei nele cinco vezes
E volto a votar de novo!
Pois diante de injustiça
Todo dia eu me comovo.
Já estou determinado:
vou votar no “acusado”
Mais querido pelo povo!

Na gestão desse “bandido”,
Não me sai do pensamento,
Foi que o Brasil conquistou
O seu grau de investimento;
E a pobreza no país
(Pesquisa séria é quem diz)
Caiu cinquenta por cento.

Bateu um recorde histórico
Sua popularidade!
Pois mais de um milhão de pobres
Botou na universidade!
E combateu, no Brasil,
Desnutrição infantil
E a grande mortalidade.

Dezoito universidades,
Esse “bandido” criou.
A quinze milhões de lares
Luz elétrica chegou.
Três milhões de moradias
Em várias periferias
Esse “bandido” entregou!

Através do PRONATEC
–Também sua criação –
Oito milhões de estudantes
Pobres e sem condição
Cursaram gratuitamente,
Aprendendo gentilmente
Uma nova profissão.

E ainda na educação,
De maneira genial,
Setenta e cinco por cento
Dos royalties do pré-sal,
Conseguiu ele aprovar!
Isso para incentivar
O campo educacional.

Convém lembrar que na lista
Dos seus feitos altaneiros,
Criou também o “Mais Médicos”,
Dos profissionais guerreiros
Que atendem com condições
Mais de 50 milhões
De cidadãos brasileiros!

No governo do “bandido”
Mais querido da Nação,
Cisternas para o Nordeste
Contou-se meio milhão.
Sem falar que o “delinquente”
Fez cair sensivelmente
Todos níveis de inflação.

O desemprego caiu
De doze a cinco por cento.
Da saúde e educação,
Triplicou o orçamento.
E também o operário,
No seu mínimo salário
Conquistou um grande aumento.

Além disso, esse “bandido”,
Da maneira mais leal,
Conseguiu pagar a dívida
Chamada internacional.
Fez o quadro reverter
E fez o Brasil crescer
No cenário mundial.

E tem mais: esse “bandido”
Em Pernambuco nasceu.
Fala o sotaque que eu falo,
Nordestino que nem eu!
Esse “bandido” de peso,
Preso ou solto, solto ou preso,
Terá sempre o voto meu!

Nas gestões do “delinquente”
Mais querido da Nação,
Todo pobre, no Brasil,
Teve a nobre condição
De ser gente e ser feliz
E ir ao Sul do país
Viajando de avião!

A ações desse “bandido”
Foram cobertas de glória:
Seus programas sociais
Foram sua trajetória.
Tudo é fato e não é lenda:
A concentração de renda
Foi a menor da história.

Por isso e por muito mais,
Eis minha declaração:
Meu voto pra presidente
Nesta vindoura eleição,
No meio do fogaréu
Vai direto para o réu
Mais querido da Nação!

Nestes versos de cordel,
Não pretendo ser afoito,
Mas injustiça na cara,
Eu morro e jamais acoito.
Pra voltar a ser feliz,
O Brasil inteiro diz:
LULA DOIS MIL E DEZOITO!

Pedro Paulo Paulino

Compartilhe com seus amigos:
Categoria CEILÂNDIA, JUSTIÇA, PERSEGUIÇÃO, VIOLENCIA.